0


A guerra fiscal entre os Estados brasileiros também vem sendo um entrave na busca por melhorias de condições aos arrozeiros do país. Estados como Minas Gerais e São Paulo, por exemplo, promovem a entrada do grão, especialmente oriundos dos países do Mercosul, com a alíquota zero, enquanto o produto do Rio Grande do Sul, por exemplo, precisa pagar um Imposto Sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) de 7%.



Para o presidente da Federação das Associações de Arrozeiros do Rio Grande do Sul (Federarroz), Henrique Dornelles, estes fatores acabam acarretando em prejuízos para a cadeia produtiva nacional que vem amargando resultados negativos, em especial no ano de 2017, e sem perspectivas para 2018. "São isenções diretas ou por meio de crédito fiscal dadas ao produto importado e que o produto nacional não recebe a mesma distinção. Isto prejudica a competitividade do arroz brasileiro, especialmente do Rio Grande do Sul e Santa Catarina, responsáveis por 80% da produção nacional", adverte.



Dornelles lembra que a maior parte deste arroz importado de outros países do Mercosul se utiliza de agroquímicos não permitidos no Brasil. "Não sei a quem serve criar vantagens artificiais a produtos importados. Certamente é uma administração por parte de indústrias que acredito que nem beneficiamento possuem. Os governos desses estados estão privilegiando o arroz importado em condições que utilizam defensivos proibidos no Brasil, enquanto aqui temos uma legislação mais rígida, sanitária e ambiental, que resulta em produto livre de resíduos de agroquímicos conforme já comprovado pela Anvisa e Ministério da Agricultura. Ainda, como agravante e contraditório, é o fato da renuncia fiscal promovida pelos Estados citados, com benefício ao produto importado e algumas poucas indústrias, que denomino como privilégios de concessão pública degradantes ao produto brasileiro", observa.



A Federarroz já vem tomando medidas de proteção ao consumidor. A primeira delas foi a entrada com o pedido de rotulagem do produto que chega ao consumidor informando obrigatoriamente a procedência do grão que está no pacote. Também já vem sendo atendido pedido da entidade junto ao Ministério da Agricultura de reforço na fiscalização do arroz com o sentido de combater fraudes no varejo e atacado. "Estaremos administrando e pressionando e se for necessário realizando movimentos judiciais com o objetivo de restabelecer a ordem e equidade", complementa o dirigente.




Fonte: Agrolink com informações de assessoria
PATROCINADORES
Colégio Teutônia
Representações Francesquet
Metalúrgica Wagner
Wizard
Samaq Comercial de Máquinas
Futura Imóveis
Fritz Ordenhadeiras
Wizard Teutônia
Alles Gut
Digiserv
Portal Atividade Rural 2018
contato@atividaderural.com.br | Fone: (51) 9135-4200