0


Nos últimos anos, os citricultores têm observado a redução dos períodos de controle do ácaro da leprose após a aplicação de acaricidas. Segundo o pesquisador do Fundecitrus Renato Bassanezi, o problema pode estar relacionado ao clima, a falhas no monitoramento da praga, ao mau uso da tecnologia de aplicação e dos acaricidas e ao manejo de outras pragas e doenças.



“Não existe um único fator responsável pela dificuldade no controle do ácaro da leprose, mas sim vários fatores que devem ser analisados e corrigidos pelos citricultores”, afirma.



De acordo com Bassanezi, a adoção de algumas estratégias de manejo é essencial para driblar a dificuldade de controlar o ácaro. Confira as orientações abaixo:



- Inspeções frequentes e rigorosas



- Aplicação imediata de acaricidas após detecção do nível de ação do ácaro



- Volume de calda correto (de 100 a 150 mL por metro cúbico de copa)



- Distância de pelo menos 40 cm entre o bico de pulverização e a copa das árvores



- Rotação de acaricidas de diferentes grupos químicos e modos de ação



- Não misturar acaricidas a outros produtos no tanque de pulverização



- Usar inseticidas e fungicidas seletivos aos inimigos naturais do ácaro da leprose




Fonte: Fundecitrus
PATROCINADORES
Representações Francesquet
Samaq Comercial de Máquinas
Anuncie Aqui
Colégio Teutônia
Metalúrgica Wagner
Futura Imóveis
Alles Gut
Digiserv
Wizard Teutônia
Fritz Ordenhadeiras
Portal Atividade Rural 2018
contato@atividaderural.com.br | Fone: (51) 9135-4200